Como educar melhor? José Pacheco

Como educar melhor? José Pacheco
Spotify
Apple Podcasts
Google Podcasts
Whatsapp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
RSS
Ouvir no telemóvel

Hoje falamos de um dos mais especiais e extraordinários fins da comunicação: educar.

Desde o útero até ao fim.

Da mãe até aos bisnetos, todos temos a sorte e a necessidade de aprender com todos.

Mas o ser humano, na sua infinita criatividade, e a chamada revolução industrial, quis que todos aprendêssemos, formalmente, na escola, da maneira mais massificada e impessoal que se conseguiu.

O resultado está à vista.

Estamos a formar mais peças de fábricas do que cidadãos.

Mas este programa não é sobre o que correu mal.

É mais sobre a esperança de mudança.

Com quem já fez e continua a fazer pequenas revoluções na educação.

Sim, há maneiras diferentes de fazer.

TÓPICOS DE CONVERSA:

A falência do sistema educativo (00:00:12) Discussão sobre a abordagem massificada e impessoal da educação formal, resultando na formação de “peças de fábricas”.

A importância da mudança radical na educação (00:03:55) Abordagem sobre a necessidade de uma mudança radical no sistema educativo, destacando a importância de uma abordagem integral e personalizada para a educação.

A visão da Escola da Ponte (00:12:30) Exploração dos princípios e história da Escola da Ponte, destacando a importância da relação entre professores e alunos e a necessidade de uma nova educação centrada no aluno.

A necessidade de uma nova educação (00:15:57) Discussão sobre a necessidade de uma nova educação integral, centrada na relação e na aprendizagem significativa, destacando movimentos de integração e mudança na educação.

O futuro da educação (00:17:06) Apelo para a subscrição do podcast e a importância do apoio para encontrar e convencer novos comunicadores para gravar programas.

O tempo do ensino clássico (00:17:35) Discussão sobre o ensino tradicional e sua insatisfação por parte de alunos, professores e comunidade.

A necessidade de mudanças na educação (00:18:20) Abordagem sobre a necessidade de uma abordagem integral e personalizada na educação.

A formação de professores (00:18:49) Reflexão sobre a formação de professores e a necessidade de uma nova abordagem.

A nova educação (00:20:00) Visão do Professor José Pacheco sobre a necessidade de uma nova educação e sua experiência em diferentes comunidades.

A situação da educação em Portugal (00:21:20) Comparação da educação em Portugal com outros países e críticas ao sistema educativo.

A mudança na educação (00:23:05) Discussão sobre a necessidade de mudanças na educação e a introdução de um novo modelo.

A transformação da educação (00:25:05) Abordagem sobre a transformação da educação, envolvendo professores, comunidades e valores.

O paradigma da instrução (00:26:24) Reflexão sobre o paradigma da instrução e a necessidade de uma nova abordagem na educação.

A organização da escola (00:31:20) Exploração da organização da escola e a definição de uma nova ordem baseada em valores e convivência.

A influência dos professores na infância (00:33:08) O impacto de diferentes professores na vida do Professor José Pacheco e sua formação.

A importância de uma pergunta (00:34:19) A influência de um padre que ensinou a importância de fazer perguntas e buscar respostas.

Influência de professores na adolescência (00:35:20) O papel de um professor de língua portuguesa e história universal e de uma professora de francês na vida do Professor José Pacheco.

A abordagem individualizada na educação (00:37:33) A história de um jovem com síndrome de down que encontrou na Escola da Ponte uma abordagem personalizada e alcançou sucesso.

Desenvolvimento do senso crítico na educação (00:39:18) A importância de desenvolver o senso crítico e habilidades de pesquisa, seleção e comunicação de informações na educação.


Hoje não há aula.

A professora não veio. Ou ainda não veio. Ou não aberto o concurso. Ou esgotou-se.

Hoje há aula, mas o tema parece profundamente desinteressante.

Os conteúdos são despejados nos ouvidos dos alunos.

O objetivo e passar no teste. Sobreviver à média.

Como numa fábrica, fazer o que há para fazer. De forma mecânica. Não criativa. Não curiosa. Quase não humana.

Depois vem o teste que procura o Santo Graal do conhecimento empinado, mas raramente apreendido.

Decora Jorge, decora. Não penses muito. É só para fazer.

Mais uma vez sem nenhuma emoção que não o medo de chumbar.

Quem chumba é colocado simbólica ou realmente nas últimas filas.

Como quem já não interessa para a média. Para a forma criada.

As mais das vezes acusado de não querer aprender.

Mas quase ninguém se pergunta por quê?

E por isso recordo com magia o contrário disto tudo:

O professor de filosofia que queria ser chamado de Sócrates porque sabia ser a sua alcunha nos corredores. E que nas aulas usava os filósofos para nos divertir ou estimular a curiosidade.

O Professor Sócrates fazer uns testes intercalares notáveis. O último deles tinha uma única pergunta: “O que não sabes de filosofia e queres aprender?”

Não chumbou ninguém. Todos aprendemos muito.

E tudo fazia sentido. A dúvida, a curiosidade, a comunicação humana em movimento.

A juntar aos poemas em francês da professora que gostava de Brel. Ou a Professora de português que trazia pedaço de Pessoa ou Sophia de Mello Breyner, que nem estavam no programa, para nos guiar para o melhor Camões.

Foram exceções. Mágicas e únicas que ficaram escritas há 35 anos.

Quase tão fortes como aquela ciência oculta chamada matemática onde 70% dos alunos tirava notas miseráveis e toda a gente achava normal.

Tal como hoje. Metade de uma turma do secundário tira negativa e ninguém parece achar isto inaceitável. O que se passa? São os currículos? São as aulas? É o quê?

Os resultados do índice PISA, que mede o sucesso escolar, caem em comparação com outros países. Algo não está a funcionar bem.

“A educação precisa de uma mudança radical”. Esta frase não é minha.

Esta frase resume aquilo que o Professor José Pacheco defende há 50 anos.

Ele fundou a escola da Ponte em 1976.

E abriu a possibilidade se experimentar uma nova forma de escola. Um novo modelo educativo.

Não centrado nos currículos formais e rígidos. Tão-pouco centrado nos professores.

Talvez nem mesmo centrado nos alunos.

É uma escola centrada nas relações afetivas entre toda uma comunidade.

O Professor José Pacheco, quer uma mudança radical.

E diz, nesta conversa, que o modelo de escola, em particular a escola pública, falhou.

Atribuindo a responsabilidade a toda a sociedade. Todos somos culpadas pela estagnação da educação.

Um modelo que não mudou desde a sua invenção nos séculos XVIII e XIX, e por isso tornou-se irrelevante no mundo atual.

O foco na aprendizagem mecânica, nos testes estandardizados e num currículo rígido não dá resposta às necessidades holísticas dos alunos.

E como se muda isto?

Ele defende a necessidade de uma educação integral que englobe não só as disciplinas académicas, mas também os domínios sócio-afetivos e sócio-emocionais.

Acredita na humanização da educação, em que os alunos são vistos como indivíduos com necessidades e interesses únicos. Esta abordagem requer uma mudança do atual modelo de tamanho único para um sistema mais personalizado e inclusivo.

O sucesso da Escola da Ponte e de outros modelos de educação alternativa na América do Sul, no Brasil, na Argentina e no Chile, mostra a eficácia desta nova abordagem.

Ao dar prioridade à relação entre professor e aluno e ao criar um ambiente educativo que promove a aprendizagem holística, estas escolas produzem indivíduos completos que são não só academicamente proficientes, mas também social e emocionalmente competentes.

Para conseguir isso, defende, é necessária uma mudança radical.

A educação deve centrar-se nas necessidades e interesses individuais dos alunos, em vez de tentar encaixá-los num molde padronizado.

Os currículos devem ser flexíveis e relevantes, permitindo aos alunos explorar as suas paixões e desenvolver competências aplicáveis ao mundo real.

As avaliações devem ser autênticas e variadas, medindo não só os conhecimentos académicos, mas também a criatividade, o pensamento crítico, a resolução de problemas e a colaboração.

Em Abril volta do Brasil, onde trabalha, para estimular uma comunidade de diretores de escolas públicas para recriar o modelo educativo português.

Para quem o quiser encontrar e ouvir.

Também pode ser encontrado, por mensagem do WhatsApp usando este número de telefone: +5561999295905

LER A TRANSCRIÇÃO DO EPISÓDIO

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *