João Goulão | As drogas têm uma linguagem?

João Goulão | As drogas têm uma linguagem?
Spotify
Apple Podcasts
Whatsapp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
RSS
Ouvir no telemóvel

Nesta edição falamos das drogas que dão prazer, que anestesiam angústias ou que destroem vidas e famílias.

As vozes sobre as drogas e o seu uso vão da exclusão proibicionista até à liberalização radical. E dessa contradição insanável entre o risco e a liberdade. Entre o prazer e a morte. Do consumidor recreativo ao traficante da rede de crime organizado.

Num Portugal onde 1% da população chegou a ser dependente de drogas como a heroína. A somar às clássicas dependências do álcool e tabaco.

As drogas são um dos temas a que dediquei uma parte da minha vida.

Como observador, como perguntador profissional e como narrador de uma realidade que chegou a atingir grande parte das famílias portuguesas.

A droga causa de mil sofrimentos.

E de mil prazeres.

Essa contradição cria uma tensão social, psicológica, humana.

E isso expressa-se na linguagem.

Nos rótulos. Nos preconceitos que cada um cola nas realidades para assim facilitar o processo de entendimento de realidades complexas.

O fenómeno da toxicodependência tem todos esses matizes.

Do slogan antigo “Droga, loucura e morte” do livro da minha adolescência “Os filhos da droga – Cristian F.” Até à proximidade com o fenómeno na escola secundária.

Do mais inocente cigarro atrás do pavilhão desportivo a dramáticas histórias de amigos que acabaram no caminho da toxicodependência pesada. Da heroína injetada, da cocaína e das mil drogas sintéticas.

E a sociedade reagiu como em tudo o mundo: ora a isolar os toxicodependentes como culpados de todos os males do mundo; ora a acolhê-los como doentes para os ajudar.

É que as famílias descobriram rapidamente que os toxicodependentes não eram uns alienígenas marginais, mas sim os seus próprios filhos.

É nessa linha que Portugal inventou uma fórmula de sucesso: redução de riscos, prevenção dos consumos e recuperação de pessoas.

Descriminalizar sem despenalizar.

Combater o tráfico, mas ver o toxicodependente como um doente crónico.

É esse olhar que trago hoje aqui pela voz de João Goulão, médico de família e face da equipa que tornou Portugal único a responder a um problema complexo.

Afinal, porque as drogas dão prazer e matam.

O tempo é de reconstrução da estratégia de resposta à toxicodependência.

Suspeito que com o agravar da crise económica o fenómeno do consumo das drogas terá um aumento significativo nos próximos anos.

As crises criam desamparo e a algumas drogas oferecem anestesia para as dores de alma.

É um caminho curto para se ficar dependente. Com um preço social e humano relevante.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *