Henrique Barros | O que aprendemos com a pandemia?

Hoje é dia de falar da pandemia.
Uff! Dizem vocês.
Sim, Uff! Digo eu.
Já estamos todos mais do que fartos do bicho, da vida parada, dos mil cuidados.
Mas é a vida.
E a nós calhou-nos na rifa existencial levar com um vírus que se espalhou pelo mundo, que atingiu pessoas, famílias e empresas.

Um vírus que mata. Que continua a matar.

Mas este é um programa sobre comunicação.
Como falamos e entendemos a pandemia?
Como aceitamos ou protestamos contra as restrições?
Como somos mais prevenidos ou pelo contrário mais avessos a medidas de proteção da saúde de todos nós.

Tudo isto é comunicação.
E as sociedades criam diálogos internos que evoluem depois para consensos gerais.
Nesta edição falamos de epidemiologia, de regras e de liberdade.

As televisões, rádio e jornais encheram-se de especialistas, pseudoespecialistas, bons falantes ou simples oportunistas.
Todos seguiram a maré da pandemia para aproveitar as luzes dos focos mediáticos.

E este fenómeno fascina-me.
O simples facto de existir uma câmara ligada, um microfone apontado ou um ouvido atento de um jornalista gerou uma torrente de explicadores, opinadores ou, na pior das hipóteses, de manipuladores da opinião pública.

Deixe-me separar estas personalidade em dois grupos: aqueles que tem um saber próximo das áreas sobre as quais dão respostas públicas e aqueles que tem exposição mediática gratuita e permanente por isso aproveitam para falar da espuma dos dias.

Há ainda outra divisão: os que apenas querem encher ego e vaidade pessoal com pós de maquilhagem e luzes fortes. E os outros, que usam o espaço para distorcer, manipular ou criar perceções falsas nos recetores da mensagem.

Excluo claro desde já os que sabem mesmo do que falam.
Porque estudaram. Porque pensaram.

Pensando nisto tudo decidi telefonar a um dos mais conhecidos, reputados e sabedores da arte da saúde pública.
Da defesa da saúde pública.
E como sabemos que estamos a falar com um sábio?
Além do reconhecimento dos pares, da produção cientifica e do trabalho feito há mais uma característica: dizerem muitas vezes a frase: “não sei”.
O que me gera logo a vontade de perguntar “Então quem é que sabe?”
Falei com Henrique Barros. Ele dirige o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.
Passa a vida a explicar aos decisores públicos como atuar em situações com a atual pandemia.
E eu carreguei-me de optimismo na esperança que para que a crise que vivemos pudesse ter algo para aproveitar

A pandemia pode afinal ainda durar mais do que tínhamos esperado.
O vírus mostra diariamente que é global.
E mesmo em países como o nosso, com uma cobertura vacinal praticamente total, com um mundo a descoberto há sempre novas variantes à espreita.
E na comunicação palavras como ameaça, medo e morte tem sempre uma força grande.
Mas liberdade, democracia e vontade de viver na comunidade também tem.
Haja esperança.

Cláudia Pinto | Como fazer jornalismo de causas?

O jornalismo de causas é um género pouco praticado por cá.
São histórias de pessoas que de forma tantas vezes heróica conseguem superar-se dia a após dia.

As histórias de superação são sempre atrativas para qualquer audiência.
Tem sempre um condimento de vulnerabilidade extrema a par da superação.

E nem todas acabam bem. Ou sequer ganham espaço na imprensa.

Para conversar sobre estas histórias convidei uma boa amiga, jornalista “freelance”, e uma das pessoas que mais conta este tipo de histórias.

Cláudia Pinto não tem um emprego com secretária numa redação principal de um jornal.
O que faz é encontrar boas histórias e depois propo-las aos editores de várias publicações.

Ou então transformar essas histórias em livros, ou diretos no Instagram com a marca “No intervalo da vida”.

Muitas destas histórias são sobre casos de saúde.
E algumas deixaram cicatrizes fundas em quem as escreveu. Afinal escrever notícias implica honestidade, mas nem sempre neutralidade asséptica.

As grandes histórias estão sempre aí para serem descobertas e contadas.
E vale aprender algumas das técnicas que ouvimos neste programa.
Ouvir os outros, fazer parte da sua história e contar com emoção o que levamos de cada conversa.
Já imaginaram se conseguíssemos fazer isso em todo e qualquer momento da nossa vida?
Adeus monólogos aborrecidos.
Adeus reuniões monocórdicas.
Adeus pessoas vazias de sentido e poesia.

É como as grandes histórias: são utopias para perseguir todos os dias.

Pensem nisso quando tiverem que falar a outras pessoas.
Criem um momento único e inspirador.

António Costa Pinto | O que nos dizem os políticos?

Este é o mês da campanha eleitoral.
Dia 30 de janeiro vamos a votos.
São as eleições legislativas.
Vamos eleger 230 deputados.
E desta eleição nasce o apoio ao governo escolhido para os próximos 4 anos.

Então, o que nos dizem os políticos?
O que nos dizem os candidatos?
Os partidos?
As correntes ideológicas?

Os partidos políticos têm como objectivo principal chegar ao poder.
E para isso precisam de conquistar votos dos eleitores.
Para isso tem narrativas.
A maneira como nos contam a sua história.
Como se apresentam na busca da confiança dos eleitores.
Além das ideias, oferecem candidatos.
Aqueles que querem merecer a confiança dos cidadãos.
É dessa mistura de pessoas e ideias que se faz os projetos de poder e governação.
Esta edição serve para entender melhor a maneira como os políticos comunicam connosco e como nós entendemos as suas mensagens

Never miss a post!

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Sed iaculis vel tellus ut lacinia sed elit ante egestas ac maximus in.

Thanks for subscribing!